Saiba como fazer o autoexame para câncer do testículo

O câncer de testículo ocorre entre homens de 15 a 35 anos, e é uma doença grave. O autoexame auxilia no diagnóstico da doença.

Postado em 21/05/2018.

Uma das doenças mais raras do sistema reprodutor masculino, o câncer de testículo, corresponde de 2 a 3% de todos os cânceres existentes do aparelho urinário, quando levamos em conta homens de todas as idades.

Ao levarmos em conta apenas os homens com idade entre 15 e 35 anos, o câncer de testículo é a doença maligna mais frequente do sistema reprodutor masculino. Depois desta faixa de idade, o de próstata assume a grande liderança nos casos.

Os tumores de testículos normalmente são detectados durante o autoexame. Estes são percebidos como nodulações duras, firmes e pouco dolorosas. Alguns traumas no testículo durante atividades físicas são causas frequentes da detecção precoce do problema que levam ao autoexame e a detecção de nódulos que estavam ali mas que não geravam sintomas.

Saiba como fazer o autoexame para câncer do testículo

Como fazer o auto exame passo a passo?

No autoexame, este que inclusive pode ser feito durante o banho, é interessante iniciar com uma palpação na parte superior do testículo e pelos pubianos.

Na parte superior do testículo temos o chamado epidídimo, uma estrutura macia, em formato de gota que tem a função de amadurecer e armazenar os espermatozoides que são produzidos pelo testículo. É nele que se conecta o ducto deferente, responsável por transportar os espermatozoides até a próstata e para finalizar o pênis.

O exame então deverá seguir para o corpo do testículo, o que deverá apresentar uma consistência macia, semelhante a palma da mão onde temos o polegar.

Posteriormente é interessante avaliar a parte mais inferior do testículo, onde é possível encontrar a cauda do epidídimo e o canal deferente.

Sinais de que algo está errado com o testículo

Se você perceber que qualquer uma destas alterações abaixo ocorrem no seu autoexame, é a hora de procurar por ajuda de um especialista.

  • Sinais de nódulos dolorosos ou não em qualquer região do seu testículo.
  • Acúmulo de líquido no entorno do testículo.
  • Aumento repentino do tamanho do testículo.
  • Sangramento ou secreção amarelada durante a ejaculação.
  • Ter um pai ou irmão que já teve esta situação de doença.
  • Perceber que o testículo não está na bolsa escrotal.

Como serão os exames?

O médico deverá fazer um exame físico com ênfase na sua virilha, testículos e abdômen. Para auxiliar a diagnosticar as causas da dor, ele também deverá realizar perguntas sobre seu histórico clínico. O médico deve solicitar alguns exames, dentro deles os mais comuns são a ultrassonografia dos testículos, urinálise e urocultura, exame de secreções prostáticas.

Outras situações também podem ocorrer, como por exemplo a torção testicular, que pode levar a perda do órgão ou mesmo a infertilidade se não forem tratadas de forma imediata. Infecções e outras situações também deverão ser examinadas e tratadas de forma rápida e são associadas a diversos graus de infertilidade. Caso a infecção seja causada por exemplo, por bactérias, o médico deverá receitar antibióticos.